quinta-feira, 21 de junho de 2012

Rio + 20 - Um Carnaval Filosófico





Só podia ser no Brasil. O país do carnaval, das obras atrasadas da Copa do Mundo 2014, do mensalão, das "cachoeiras" de corrupção, das CPIs que terminam em pizza. Mas até que o carnaval é organizadissimo, convenhamos!...e tem um objetivo nítido: Levar um país continental, de quase 190 milhoes de habitantes, inteiro, a alienação dos valores morais durante cinco dias consecutivos! E aproveitando o momento, a abertura da Copa 2014, vocês esperam aquelas coreografias imponentes, nobres que elevam a nossa dignidade humana? Se eu não estiver enganada ( e como quero estar!) vai ser uma coisa bem carnavalesca, com o belo Hino Nacional mal interpretado (quem não lembra da Elza Soares estragando nosso hino no Pan Americano 2007? )

E a Rio + 20, me diga, a que veio, pelo amor de Deus?

Não é do meu feitio criticar meu estado, meu país, minha cidade. Nesta postagem porém, fugirei à regra e não vou economizar críticas, até porque elas serão direcionadas não somente à equivocada realização da bem intecionada Rio + 20, mas também aos lideres mundiais que se deram ao trabalho de vir aqui  e expôr a falta de influencia real, capacidade de ação e articulação, falta de pensamento próprio e presença de espírito que eles têm - um fiasco internacional. Que vexame pra presidenta Dilma, a única que ainda foi mais contundente e demonstrou uma sincera preocupação e vontade de resolver os problemas ambientais atuais. O resto foi só intrigas políticas, religiosas e propaganda!

O texto final da Rio + 20 está sendo criticado mundialmente, inclusive pelo Greenpeace que chegou a chamar  a conferência de "Rio -20".

Minha inquietação no meio de tudo isso é a mesma que me acomete quando vejo as intermináveis reuniões dos lideres europeus para resolver a crise financeira  de seus países; quando vejo noticiários a respeito dos conflitos do mundo árabe mais recentes, a chamada e falida "Primavera Árabe"; sabe qual inquietação? constatar que nossos países estão nas mãos de gente sem ideal próprio, sem pensamento próprio, sem sonho, sem vontade, sem nada!

Gente sem nada. Pessoas erradas nos lugares certos.

 Já foi a época dos Martin Luther Kings, Winston Churchill, Martinho Lutero, Mahatma Ghandi (como lider político não religioso), pessoas, cuja presença e pensamentos foram determinantes em tempos de crise e pertubação social, ou seja, estamos nas mãos de fantoches que não têm vida própria, mais preocupados com seus partidos políticos e em sair " na foto ". Lideres sem liderança, sem discurso real que contagia e traz a solução comum. Estamos sendo guiados por cegos, sem visão universal. Inclusive, vale registrar o que ouvi de um comentarista, que teve saudade do poder de decisão que os Estados Unidos tinham no passado, mesmo sendo autoritários e insensíveis a outros países, eles conseguiam chegar a um acordo e executar, claro não em questões ambientais. Apenas pra dar um exemplo de liderança efetiva. Hoje os EUA não decidem nada sozinhos, o que é bom e mais justo, no entanto, mais vulnerável quando estamos em um mundo sem lideres emblemáticos, resolutos e motivadores, pricipalmente nos países emergentes como é o caso do Brasil.

Finalizo com as palavras do jornalista da CBN Sérgio Besserman:

 " Atualmente as lideranças políticas são impotentes e profissionalmente dedicadas a ganhar eleições, mas não a colocar os olhos no futuro e a nos dar o direito de sonhar e mudar".

Evangélica sim, e pensante também, por que não?

Sarah.

Um comentário:

António Jesus Batalha disse...

Meus amigos irmãos, passei pela net visitando vários blogs, e passei pelo seu lindo e excelente blog, não li muito mas o suficiente para ver que pelas suas palavras aqui expressas, é um ser que ama o mesmo Deus, e que deseja servi-lo e honra-lo, e isso para mim é mais que motivo de alegria. Quero deixar-lhe um convite: Mas faça-o só se desejar, se não estiver interessado pode deletar meu comentário que não fico chateado. Se deseja fazer parte do blog. O Peregrino e servo. Decerto que irei seguir também seu blog, não sou das pessoas que dizem que vão seguir e depois não seguem. Também peço desculpa se por acaso deixar mais do que um comentário. Obrigado pela atenção.
Antonio Batalha.